quarta-feira, 10 de junho de 2015

A 10 de Junho de 1880 -- Primeira grande manifestação republicana em Lisboa assinala o tricentenário da morte de Camões.




10 de Junho de 1880

 Lisboa engalanou-se e fez-se moça. Um colorido cortejo cívico percorreu algumas das ruas da Baixa, com os seus carros alegóricos – da Agricultura, da Instrução, do Comércio, de diversas colectividades e agremiações e de distintos ramos de actividade – por entre a alegria esfuziante dos estudantes e o aplauso cúmplice dos populares, que aplaudiam a partir de passeios apinhados. Troava a artilharia sincopadamente, ao mesmo tempo que o estampido de foguetes, lançados a partir do Castelo de S. Jorge, espalhava nos céus pequenas nuvens de fumo. O préstito cívico iniciou a sua movimentação a partir do Terreiro do Paço, onde se encontrava instalado o pavilhão real. Mas junto dele as aclamações baixaram de tom. Houve bandeiras de colectividades que não se curvaram em saudação a D. Luís. E este, por sua vez, negligentemente, também não se dava ao esforço de corresponder às saudações, conversando e galhofando com amigos, ministros e Pares do Reino. Imperturbável, o cortejo coleou na direcção do Largo do Pelourinho, calcorreando as ruas Augusta, do Ouro e do Arsenal. Subiu depois a Rua Nova do Almada e irrompeu no Chiado, invadindo a simbólica Praça de Camões. E logo desceu a Rua do Alecrim, para se dissolver no Cais do Sodré.
O episódio deste latente divórcio entre as turbas populares e a monarquia foi imediatamente aproveitado pela propaganda republicana. Rafael Bordalo Pinheiro logo desenhou no seu O António Maria a figura de Camões, de cabeça coberta por um barrete frígio, agradecendo a um D. Luís contrafeito e minúsculo, a honra de o ter feito republicano. Pela forma inábil como o regime vigente se comportou, o Tricentenário de Camões foi arvorado em símbolo por todos os que sonhavam com outros rumos, mais democráticos e benfazejos. A republicanização de Camões, ícone imorredoiro da Pátria portuguesa, significou, para muitos, o ponto de viragem para um outro e melhor destino.