terça-feira, 30 de junho de 2015

A 30 de Junho de 1934 - "Noite das facas longas", na Alemanha nazi. Adolf Hitler, Goering e Himmler ordenam a morte dos dirigentes da tropa de choque SA.

Hitler e Röhm

Na virada do dia 30 de junho para 1 de julho de 1934, o então chanceler alemão Adolf Hitler e a direção do Partido Nazista, ordenaram a execução dos membros da ala dissidente do partido numa ação que ficou conhecida como A Noite das Facas Longas.
O principal alvo do Partido era Ernst Röhm, líder da Sturmabteilung (SA). A SA contava com cerca de três milhões de soldados e Röhm queria fazer da Tropa de Assalto o embrião do novo Exercito alemão. As ideias defendidas por Röhm, que outrora trabalhou para a ascensão do Partido e consequentemente de Hilter, agora incomodavam diretamente o Marechal Von Hindenburg, chefe de Estado alemão, e os oficiais das Forças Armadas alemã. Somado a isso o alcoolismo e a homossexualidade, fizeram de Röhm um grande problema que precisava ser resolvido.
Hitler então ordenou a ação conjunta executada pela SS (Schutzstafell) e por agentes da Gestapo (Geheime Staatspolizei) que ficou conhecida inicialmente com o codinome Colibri. O mais irônico é que a frase “Noite das facas longas”, como ficou conhecida a operação, era um verso de uma canção da SA, que traziam a ideia de massacres como assunto principal.
A operação prendeu Röhm e as demais lideranças da SA, fuzilando todos nessa madrugada. Como resultado, a SS ocupou o lugar de polícia política do Partido Nazista enquanto Adolf Hitler, triunfante, via seu prestígio e poder serem consolidados definitivamente no país.