segunda-feira, 8 de junho de 2015

MOMENTO DE POESIA - NO PAÍS DA QUECA



NO PAÍS DA QUECA

Neste País, sem alento,
Falido e sem tostão,
Não há sequer um jumento
Que não ande com tesão!...

É uma terra danada!
Um paraíso perdido!
A foda está consagrada
E o Povo está fodido!...

Fodem moscas e mosquitos,
A aranha e o escorpião!
Fodem cabras e cabritos,
A empregada e o patrão!

O banco fode o cliente,
Ficando-lhe com a massa
E, ao foder, está ciente
De estar a fazer trapaça!...

Namorados também fodem,
Muito antes de casarem!
Estando juntos, não podem
Deixar de se fornicarem!...

General fode o Tenente,
Coronel o Capitão
E Cavaco, o Presidente,
Vive fodendo a Nação!...

Os frades fodem as freiras!
O padre o sacristão!
E, com pregações matreiras,
O pastor fode o irmão!...

Todos fodem, neste mundo
E não importa o parceiro!...
Qualquer danado imundo
Fode, até, todo lampeiro!...

O Passos, depois de eleito,
Tornou-se fornicador!...
Fode, a torto e a eito,
Mas sempre o trabalhador!...

Ministro fode o País,
Deputado os eleitores!...
Ninguém cumpre o que diz
E fodem como estupores!....

Parece que a nossa sina
(Temos que reconhecer!)
É vermos que quem nos pina
Só anda cá p’ra nos foder!...

E você, meu nobre amigo,
Que isto acabou de ler,
Se se irritou comigo,
Deixe lá! Vá-se foder!...

Nota: O autor mantém-se anónimo, pois, doutro modo,
estava fodido!...