sábado, 4 de julho de 2015

A 4 de Julho de 1937 -- Atentado, em vão, contra o ditador português Oliveira Salazar, na avenida Barbosa du Bocage, em Lisboa.

1937 Atentado a Salazar.3[15]


A 4 de Julho de 1937 o rumo do Portugal fascista e salazarista poderia ter mudado. Um atentado, protagonizado sobretudo por anarquistas (a que se haviam associado elementos republicanos e comunistas), à figura de Salazar que, quase por milagre escapou ileso, poderia ter poupado Portugal a mais quase 4 décadas de fascismo. Durante meses este grupo revolucionário – que já antes tinha colocado bombas nos ministérios e no Rádio Clube Português, em solidariedade com a revolução espanhola e contra o apoio que o governo e o RCP davam aos falangistas de Franco – estudou a melhor hipótese de atentar contra a vida de Salazar – o homem forte do regime fascista. Dadas as características do regime, personalizado em Salazar, a sua morte teria alterado significativamente o curso da história.
O PCP sempre se demarcou desde episódio – e fez bem! Nunca estaria à altura, enquanto organização, de um feito destes. Houve militantes republicanos e comunistas que participaram a título individual – do mesmo modo que a 1 de Janeiro de 1962 militantes de diversas origens (democratas, anarquistas, comunistas, socialistas e outros antifascistas) também participaram no famoso assalto ao Quartel de Beja.
A grande referência histórica para este atentado é Emídio Santana, que esteve preso durante 16 anos. Anarco-sindicalista, militante da CGT, um dos impulsionadores do movimento libertário no pós 25 de Abril e director de “A Batalha” após 1974, publicou um livro – História de um atentado: o atentado a Salazar – que é ainda uma das grandes fontes de informação sobre a preparação e execução deste atentado.