quarta-feira, 9 de setembro de 2015

O Orçamento do Estado (OE) português é menos transparente que o do Malawi

Estudo: orçamento português é menos transparente que o do Malawi

Paulo Portas, Maria Luís Albuquerque e Pedro Passos Coelho, no Algarve
LUÍS FORRA/LUSA
09/09/2015 | 15:10 |  Dinheiro Vivo
O Orçamento do Estado (OE) português é menos transparente que o do Malawi, uma das nações mais pobres e menos desenvolvidas do mundo. E menos transparente também que o da Rússia, da Roménia, da Geórgia, da Bulgária, do Peru. Todos estes países, menos desenvolvidos que Portugal surgem como menos opacos em matéria orçamental, dizem os resultados do Inquérito do Orçamento Aberto 2015, hoje divulgado.
O estudo Open Budget Survey 2015 (OBS) é da responsabilidade da International Budget Partnership (Parceria Internacional para o Orçamento), "um think-tank de Washington". Depois, é conduzido de forma descentralizada a nível nacional.
Em Portugal, a análise e levantamento da informação orçamental é da responsabilidade do Institute of Public Policy Thomas Jefferson - Correia da Serra (IPP).
A equipa responsável é liderada por Paulo Trigo Pereira, presidente do IPP e professor no ISEG, e Luís Teles Morais, investigador do IPP. Recorde-se que Trigo Pereira é um especialista em políticas públicas, sendo agora candidato a deputado pelo PS.

Portugal e Espanha são "os países com os orçamentos menos transparentes e abertos da União Europeia a 27 países", observa a nota enviada às redações pelo IPP.

102 países sob escrutínio

O estudo "avalia e classifica o desempenho de 102 países em três domínios fundamentais: transparência, participação pública e fiscalização do processo orçamental. Portugal, nas notas dadas pelo inquérito, passa à tangente, tendo um longo caminho a percorrer na melhoria da transparência orçamental", observam os peritos portugueses.