quinta-feira, 21 de julho de 2016

Coimbra e o fado "Samaritana"




Eis mais uma homenagem a Coimbra, ao seu lindíssimo fado, às suas fontes, aos estudantes, às serenatas (as monumentais e as outras) e, já agora, à Samaritana, cuja lenda nos relembra o lado humano de Cristo.

Dos amores do Redentor
Não reza a história sagrada,
Mas diz uma lenda encantada
Que o bom Jesus sofreu de amor.

Sofreu consigo e calou
Sua paixão divinal,
Que assim, como qualquer mortal,
Um dia de amor palpitou.

Samaritana,
Plebéia de Sicá.
Alguém espreitando,
Te viu Jesus beijar,
De tarde quando
Foste encontrá-lo só,
Morto de sede,
Junto à Fonte de Jacó.

E tu, risonha, acolheste
O beijo que te encantou...
Serena, empalideceste,
E Jesus Cristo corou!

Corou, ao ver quanta luz
Irradiava da tua fronte,
Quando disseste: "Ó meu Jesus!
Que bem eu fiz, Senhor, em vir à fonte."