Notícias na Hora

Loading...

sábado, 11 de dezembro de 2010

A 11 de Dezembro de 1792 inicia-se o julgamento do Rei Luís XVI


O Dia Ruim do Rei Luís XVI


Quando o Rei Luís XVI da França era uma criança, foi avisado por um astrólogo para estar sempre alerta no dia 21 de cada mês. Luís se sentia tão aterrorizado por isso que nunca fazia negócios nesse dia. Infelizmente, Luís não estava sempre alerta. Em 21 de Junho de 1791, acompanhando a Revolução Francesa, Luís e sua rainha,Maria Antonieta, foram presos em Varennes, enquanto tentavam fugir da França. Em 21 de Setembro de 1791, a França aboliu a instituição da Realeza e se autoproclamou uma República. Finalmente, em 21 de Janeiro de 1793, o Rei Luís XVI foi executado pela guilhotina... Realmente há estranhas coincidências!!!!
Luís XVI de Bourbon, nascido em 23 de agosto de 1754 em Versalhes e executado em 21 de Janeiro de 1793 em Paris, foi rei da França (1774-1791), depois rei dos Franceses (1791-1792). Era filho do delfim Luís e de Maria Josefa de Saxónia e esposo de Maria Antonieta da Áustria (com quem se casou com 16 anos).

Quando subiu ao trono em 1774, quando estava com 20 anos, as finanças reais não se encontravam numa situação favorável e assim permaneceram até o eclodir da Revolução Francesa, altura em que Luís XVI foi deposto. Aconselhado por Maurepas, escolheu para seus ministros homens de talento como Turgot e Malesherbes. Reconvocou o Parlamento mas este voltou a fazer-lhe oposição. O rei teve de abandonar seus ministros reformistas (1776) substituindo-os por Necker, também destituído depois de ter publicado a Prestação de contas ao rei sobre o estado das finanças (1781).
Não pôde nem evitar a Revolução, apoiando as reformas económicas e sociais propostas por Turgot e Necker, nem tornar-se líder popular, por não compreender as aspirações do povo.
A política externa praticada por Vergennes e o Tratado de Versalhes restauraram o prestígio da França. Mas, no interior do país, a oposição cresceu; Calonne, seguido de Loménie de Brienne, tentou em vão resolver a crise financeira. Convocou a altamente aristocrática Assembléia dos Notáveis (1787) e nada conseguiu. Luís XVI teve de chamar de volta Necker (1788) e prometer a convocação dos Estados Gerais, que estavam à margem do governo havia 175 anos. Os Estados Gerais, que se reuniram em Versalhes em 1789, eram a reunião das três ordens da sociedade desde a Idade Média: o clero que reza (1º estado), o nobre que luta (2º estado) e o camponês que trabalha (3° estado). Estes factos marcaram o início da Revolução.

Os deputados do Terceiro Estado constituíram a Assembléia Nacional e depois Assembléia Constituinte. A família real foi trazida à força de Versalhes para Paris (outubro de 1789) e sua tentativa de fugir do país foi frustrada em Varennes (20 de junho de 1791). A família real foi, então, feita prisioneira da Comuna insurrecional (10 de agosto). A monarquia foi abolida em 21 de Setembro de 1792. Luís XVI, desmoralizado por sua tentativa de fuga e por suas negociações com o estrangeiro, perdeu completamente a popularidade. Encerrado no Templo e acusado de traição, foi julgado pela Convenção (julgamento iniciado em 11 de Dezembro de 1792) e condenado à morte, sendo guilhotinado em 21 de janeiro de 1793. A rainha consorte Maria Antonieta foi executada seis meses depois. A sua morte provocou a união dos soberanos europeus contra a França revolucionária.
Pensa-se que as chamas da Revolução, em parte, foram atiçadas pelas mentiras que rodearam o famoso escândalo do colar, pelo facto do rei dar ouvidos à sua esposa, imprudentemente, sobre assuntos políticos e ainda ao ódio que muitos membros da nobreza e clero tinham contra Maria Antonieta, da linhagem da Casa de Habsburgos, eternos rivais da Casa de Bourbon e pela sua frivolidade e gosto pelo luxo.

Sem comentários:

Enviar um comentário