sexta-feira, 13 de novembro de 2015

O MOSTEIRO DE LORVÃO





O MOSTEIRO DE LORVÃO, aquando da sua fundação, foi dedicado a S. Mamede (1:00) e a S. Pelágio (1:03) e era um mosteiro masculino. No século XIII, D. Teresa, filha de D. Sancho I, procede à reforma do mosteiro transformando-o num mosteiro feminino cisterciense. Na mesma altura, a sua irmã D. Sancha funda em Coimbra o mosteiro feminino de Celas. Os restos mortais das duas irmãs estão em túmulos de prata (1:06; 1:12), na capela-mor do Mosteiro de Lorvão. O interior do mosteiro é grandioso e harmonioso, construído no século XVIII. Uma grade de ferro forjado (1:42) com aplicações de bronze dourado estabelece a separação entre o coro e a igreja. Sobre a grade construiu-se um órgão neoclássico (1:33). Para além de possuir a escultura pétrea de Santa Maria do Lorvão, ou Senhora da Vida (2:18), o coro apresenta um dos melhores cadeirais (1:50) portugueses formado por cadeiras de espaldar alto em madeira de jacarandá preto brasileiro e nogueira. Na Sacristia (2:35) e em duas outras salas (3:00; 3:13) estão algumas das preciosidades do mosteiro. Numa das salas está a ser restaurada (3:02) uma das duas telas pintadas que normalmente se encontram expostas na igreja (1:27). O claustro principal (3:30) data do século XVII e está dividido em dois andares. No jardim central do claustro há uma fonte com um obelisco (3:48). Lorvão fica no concelho de Penacova, a cerca de 20 km de Coimbra.