domingo, 14 de fevereiro de 2016

A 14 de Fevereiro de 1926 - Nasceu António Alva Rosa Coutinho



António Alva Rosa Coutinho, nasceu em Lisboa a 14 de Fevereiro de 1926 e faleceu a 2 de Junho de 2010.
Rosa Coutinho foi um almirante e político português da segunda metade do século XX, participante activo na revolução do 25 de Abril!
Oficial da Armada, passou grande parte da sua carreira naval a bordo e, a partir de um certo momento, no comando de navios hidrográficos.
No período do 25 de Abril de 1974 era capitão de fragata e foi um dos elementos da Armada designados para integrar a Junta de Salvação Nacional (JSN), datando de então a sua promoção a Vice-Almirante.
Nos primeiros meses da revolução de Abril a sua actuação foi discreta e chegou a coordenar o Serviço de Extinção da PIDE-DGS e Legião Portuguesa.
Em finais de Julho, após a demissão do último Governador-Geral de Angola, Rosa Coutinho foi chamado a substituí-lo, na qualidade de Presidente da Junta Governativa de Angola.
Confirmado membro da JSN após a tentaiva golpista de Spinola e Palma Carlos em 28 de Setembro de 1974, passando à qualidade de Alto-Comissário em Angola a partir de Outubro.
Rosa Coutinho permaneceu em Angola até à assinatura dos Acordos de Alvor (Janeiro de 1975), entre o Estado Português e os três movimentos de libertação - FNLA, Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA).
A sua actuação em Angola pautou-se de acortdo com as orientações do MFA e do governo português. Defendeu sempre a integridade territorial de Angola contra o separatismo de Cabinda apoiado pelo Zaire.
Isto e a sua intervenção ao longo de 1975 sempre na defesa dos trabalhadores, valeram-lhe o epíteto de «almirante vermelho».
Nos primeiros meses do ano participou na preparação de «legislação revolucionária», num sentido da consolidação do processo político iniciado em Abril do ano anterior, o que se concretizou após nova tentativa golpista em 11 de Março.
Após o 11 de Março passou a integrar o Conselho da Revolução (CR), então criado.
Se a sua imagem democrata e homem de esquerda não deixou de se acentuar, saliente-se que aquando da tentativa de Golpe de 25 de Novembro de 1975 deu apoio às instruções do Presidente da República e Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), General Francisco da Costa Gomes (1914-2001).
Pouco tempo depois do 25 de Novembro o Almirante Rosa Coutinho passaria á reserva.
A partir daí e até à sua morte foi sempre um participante activo na vida política progressista e nas suas principais manifestações, na maior parte das vezes acompanhado do General Vasco Gonçalves!