quinta-feira, 23 de março de 2017

Não me vás deixar (Ne me quitte pas)- Simone de Oliveira


Não me vás deixar importa esquecer trata de esquecer o que há-de passar esquecer o tempo dos mal-entendidos e o tempo perdido em busca do vento esquecer de vez o que sem parar nos tenta matar com tantos porquês Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar
Por mim te darei pérolas de chuva dum país sem chuva que nem água tem deixarei tesouros depois de morrer para tudo te encher de luzes e de ouro um reino farei onde a murmurar de sempre te amar só tu serás rei Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar
Não me vás deixar inventar-te-ei palavras que nem se podem escutar e falar-te-ei de quem por amor destrói o terror de todas as leis e a história de um rei morto de pesar por não me encontrar também encontrei Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar
Já mesmo se viu do fundo de um mar que nunca existiu o fogo brotar acontece enfim um campo queimado dá trigo mais grado que o melhor Abril e ao cair da tarde vão-se misturar sob o céu que arde tantas cores aos pares Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar
Não me vás deixar nada te direi nem chorar já sei vou ali ficar dali te verei dançar e sorrir e escutar-te-ei a cantar e a rir até me sentir sombra de uma sombra que há na tua mão sombra do teu cão Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar Não me vás deixar