sexta-feira, 7 de agosto de 2015

No dia 07 de agosto de 1794, tem lugar em Lisboa o último auto-de-fé.

No dia 07 de agosto de 1794, tem lugar em Lisboa o último auto-de-fé.

Na imagem, tela de Pedro Berruguete: "São Domingos Presidindo a um auto-de-fé (1475)".

Auto-de-fé refere-se a eventos de penitência realizados publicamente (ou em espaços reservados para isso) com humilhação de heréticos e apóstatas bem como punição aos cristãos-novos pelo não cumprimento ou vigilância da nova fé lhes outorgada, postos em prática pela Inquisição, principalmente em Portugal e Espanha.
As punições para os condenados pela Inquisição iam da obrigação de envergar um sambenito (espécie de capa ou tabardo penitencial), passando por ordens de prisão e, finalmente, o condenado era entregue aos carrascos da Coroa .
O estado procedia às execuções como punição a uma ofensa herética repetida, em consequência da condenação pelo tribunal religioso. Se os prisioneiros desta categoria continuassem a defender a heresia e repudiar a Igreja Católica, eram queimados vivos.
Contudo, se mostrassem arrependimento e se decidissem reconciliar com o catolicismo, os carrascos procederiam ao "piedoso" ato de os estrangular antes de acenderem a pira de lenha. Os autos de fé decorriam em praças públicas e outros locais muito frequentados, tendo como assistência regular representantes da autoridade eclesiástica e civil.