domingo, 18 de outubro de 2015

A memória da internet é fodida! 3

Depois de apresentarmos a parte 1 e parte 2 da série “A memória da internet é fodida“, apresentamos a parte 3! Há neste país uns restos bafientos de salazarismo que só concedem à “direita” o direito “divino” de governar!
paulo portas cds

Portas apresentou-se como candidato a primeiro-ministro, mas quer ficar à frente do PSD. Debate com divergências, muito marcadas pelo líder do CDS.

Paulo Portas escolheu o duelo com o seu preferido parceiro de governo para se afirmar como candidato a primeiro-ministro. E deixou pela primeira vez a indicação de que, para si, o importante é que haja governo de maioria (à direita) – “é isso que o Presidente quer”.

Para o líder do CDS, não é importante na formação do próximo Governo se o PS tem mais votos: se a direita tiver maioria absoluta, governará. E afirmou-se, a cada ponto do debate, mais competente do que Passos, merecedor portanto de ser mais votado do que ele.

No final do debate, Passos responderia que o próximo governo “só pode realisticamente ser liderado pelo PSD”. Reiterou que quer um entendimento com o CDS, “mas não queremos que seja o PS a vencer as eleições”.
Durante os 50 minutos de discussão – tensa, mas sem divergências de fundo – o líder do PSD tentou responder ponto a ponto ao que lhe dizia Paulo Portas. Quando este o acusou de inconsistência pediu a Portas que cumprisse o acordo; quando Portas acusou o “caciquismo” do PSD, pediu “respeito pelos autarcas”; quando Portas sugeriu apenas metade dos deputados, com proporcionalidade absoluta, Passos falou de irrealismo – e uma vez até pediu a Portas que o olhasse nos olhos.
Porém, o líder do PSD esteve à defesa. E Portas ao ataque: “O PSD teve várias opiniões sobre muitos assuntos muito depressa”.