quinta-feira, 22 de outubro de 2015

A 22 de Outubro de 1844 - Nasce Henriette Rosine, a actriz Sarah Bernhardt.



Sarah Bernhardt nasceu em Paris a 22 de Outubro de 1844. A sua mãe era uma famosa cortesã holandesa de origem judia, Judith van Hard e o seu pai, provavelmente, um estudante de direito francês, Edouard Bernard. Foi-lhe dado à nascença nome de Henriette-Rosine Bernard. Como a presença de uma criança interferia com a vida da mãe, foi enviada para uma pensão para raparigas em Auteil e mais tarde deu entrada num convento em Versalhes. Um dos amantes da mãe, o duque de Morny, meio-irmão materno do imperador Napoleão III, decidiu que a rapariga deveria ser actriz, e quando completou 16 anos conseguiu que fosse admitida no Conservatório de Paris.
Não sendo considerada uma estudante muito promissora, Sarah achou que os métodos de ensino da instituição eram antiquados e muito tradicionais. Deixou o Conservatório em 1862, com 18 anos, sendo aceite, devido ao empenho do duc de Morny, na Comédie Française, como discípula.
Em 1866, foi contratada pelo Teatro Ódeon, e começou a sua ascensão. O seu primeiro sucesso foi no papel de Anna Damby na peça Kean de Alexandre Dumas pai, mas a sua interpretação de Cordélia no Rei Lear, de Shakespeare, já tinha sido notada. Já conhecida como a actriz favorita dos estudantes parisienses, a sua interpretação, em 1869, do trovador Zanetto na peça em um acto e em verso de François Coppée Le Passant, o seu primeiro papel em travesti, teve um imenso sucesso, que a levou a uma representação privada para Napoleão III.
Durante a guerra franco-prussiana de 1870-1871 organizou um pequeno hospital militar nas instalações do teatro. Com o fim da guerra, a deposição de Napoleão III, e a proclamação da República, a actriz, mal vista pelos republicanos, devido às suas conhecidas relações e defesa de personagens do anterior regime, conseguiu o principal papel feminino, o da Rainha Maria, na peça de Victor Hugo Ruy Blas, que tinha acabado de chegar do exílio. A sua actuação encantou as audiências, devido sobretudo ao lirismo da sua voz. Foi a razão da célebre frase de Victor Hugo, que afirmou que a actriz tinha uma «voz de ouro», caracterização que perdurou apesar dos críticos já descreverem a voz de Sarah Bernhardt como sendo prateada, devido à sua parecença com o tom de uma flauta.
Em 1872 deixou o Ódeon e regressou à Comédie-Française, possivelmente devido à intervenção de Hugo. Participou com sucesso na Zaire de Voltaire, mas normalmente os seus papéis eram secundários, até ao momento em que interpretou o papel de Vénus na Phèdre de Racine, substituindo a actriz principal, temporariamente doente. As críticas foram entusiásticas.
Tendo começado a esculpir e a pintar, exibiu as suas obras de escultura de 1876 a 1881 no Salon de Paris, tendo-lhe sido atribuída uma menção honrosa no primeiro ano. Em 1880 exibiu também uma pintura.
Em 1879, Londres rendeu-se à interpretação de Sarah Bernhardt no segundo acto da Phédre, produzido no Gaiety, durante a exibição da Comédie em Inglaterra. Uma carreira internacional estava à sua disposição, a partir desse momento.
Sarah criou a sua própria companhia, com a ajuda do empresário londrino Jarrett, partiu para os Estados Unidos, acompanhada de uma secretária, um mordomo, dois cozinheiros, duas criadas de quarto e um empregado. Durante dois meses percorreram cinquenta cidades americanas. Nova Iorque é a primeira cidade americana a vê-la, em 8 de Novembro de 1880. Regressou ao Novo Mundo mais oito vezes.
Na década de 80 aparece na sua vida o dramaturgo Victorien Sardou, que escreve para a actriz Fédora(1882), Théodora (1884), La Tosca (1887) e Cléopâtre (1890). Entretanto Sarah casa, em 1882 em Londres, com Jacques Damala, um jovem grego amante da sua irmã mais velha.
De 1891 a 1893 fez uma digressão mundial que incluiu a Austrália e a América do Sul, para além da América do Norte e as principais capitais europeias. O seus papéis mais populares, para além da Phèdre, são o de Marguérite Gautier na Dama das Camélias de Alexandre Dumas filho e no papel principal na Adrienne Lecouvreur de Eugène Scribe. No fim da digressão, de regresso a Paris, compra o Teatro La Renaissance, que inaugura com a peça de Jules Lemaitre, Les Rois.
Em 1899 vende o La Renaissance e muda-se para o Théâtre des Nations, que inaugura com La Tosca. Em 1900 inaugura o Thêatre Sarah Bernhardt com a peça de Edmond de Rostand L'Aiglon.
Uma ferida mal curada no joelho direito, provocada por uma queda na última cena da Tosca, durante uma digressão pela América do Sul em 1905, que apanha gangrena obrigou à amputação da perna em 1915. O facto não a impediu de visitar os soldados na frente ocidental durante a Primeira Guerra Mundial, e de, no ano seguinte, voltar aos Estados Unidos para uma extenuante digressão de 18 meses. Em Novembro de 1918 regressou a França, aproveitando o fim da guerra para realizar uma digressão pela Europa.
Em 1920 publicou um romance, Petite Idole, em que a heroína é uma idealização da carreira e das ambições da actriz.
Durante os ensaios finais da peça de Sacha Guitry Un sujet de Roman, desmaiou, recuperando de forma a participar no filme do mesmo autor La Voyante, produzido por Hollywood, e filmado na sua própria casa em Paris, mas durante o qual foi acometida de várias síncopes. Acabou por falecer a 26 de Março de 1923.